Escola de Música Lilah Lisboa de Araújo

Escola de Música Lilah Lisboa / Foto: Diego Chaves

No dia 13 de maio de 1974, a Escola de Música do Estado do Maranhão “Lilah Lisboa de Araújo” (Emem) abriu suas portas para a comunidade com o objetivo de ensinar e formar instrumentistas e cantores para os palcos do mundo. Situado atualmente em sobrado colonial do século XVIII, na Rua do Giz (Praia Grande), com portas também para as Ruas 14 de Julho e da Estrela, a instituição funcionou em dois outros endereços antes de, em 2001, adquirir a atual sede.

Foi essa mudança que proporcionou à escola ampliar o número de vagas e democratizar o ensino da música clássica no Maranhão. No início, eram apenas 20 alunos, com o novo prédio, aproximadamente 700 pessoas tem oportunidade de aprender e aperfeiçoar técnicas de instrumentos clássicos e populares, e ainda de canto. A maioria dos alunos é crianças e adolescentes de até 14 anos que ingressam na escola por meio de teste de aptidão e emocionam até os que passam diariamente pelo local já que a sinfonia ecoa pelas ruas e becos do Centro Histórico.

Conheça também o Teatro Arthur Azevedo.

O solar, que pertenceu a Lilah Lisboa, tradicional professora de música de São Luís, passou por diversas transformações, mas guarda até hoje características arquitetônicas de épocas diferentes.

A casa principal, de frente para a Rua do Giz, é um sobrado de três pavimentos formado com paredes de pedra da época colonial e elementos decorativos do estilo Art Noveau do início do século XX, trazidos a São Luís pelo arquiteto italiano Gaspar Iconazone. Tem sua fachada recuada em relação às edificações no entorno, circundada por muro de vazado por módulos circulares.

O acesso é feito por portão localizado na esquina do Giz com a 14 de julho que dá em um jardim garboso contido por um batente que imita troncos de árvores. Ao final, uma escada em que se divide em duas alças nos leva até o salão principal. No centro da escada um nicho que lembra uma gruta e que deve, no passado, ter funcionado uma fonte.

Na parte de traz do solar, na Rua da Estrela, atual acesso da escola, a casa tem características do período pombalino em São Luís: sobrado com funções de comércio no pavimento inferior e de residência no superior, janelas guarnecidas de gradis (com estilos diferentes em cada piso, sendo que os dois últimos a diferença se encontra no formato do balcão), sem telhado aparente, oculto por platibanda com desenhos em relevo.

Emem / Foto: Diego Chaves

Restauração – A restauração para a transformação do espaço em escola de música foi iniciada em 1999, obedecendo projeto do arquiteto Frederico Burnett, com a inserção de elementos contemporâneos. Na reforma, foram conservadas as paredes portantes de pedra e cal, esquadrias, assoalhos e forros das salas de uso social, além da escadaria e elementos decorativos do jardim, que realçavam a diversidade de estilos arquitetônicos.

Atualmente, no pavimento térreo estão instalações das funções administrativas da Emem e um auditório para 150 lugares e salas de apoio do piso superior. A escadaria do jardim dá acesso ao pavimento principal, onde foram instaladas salas para apresentações musicais, salas de aula coletivas e individuais, e sanitários. O pavimento do mirante abriga salas de aula individuais.

Por se tratar de escola de música, diversas soluções de projeto acústico e de climatização da escola foram definidas para a obtenção de um edifício com boa acústica interna. As paredes divisórias das salas de aula foram executadas com alvenaria dupla. Os pisos do auditório e das salas de aula são compostos por barrotes de madeira fixados sobre uma manta geotêxtil. Acima das salas do mirante foi executado um forro duplo recheado com lã de rocha, para evitar que haja permeabilidade de som entre os ambientes.

Lilah Lisboa – Tradicional professora de música de São Luís, mulher de fina educação e sensibilidade, Lilah Lisboa de Araújo foi fundadora da Sociedade de Cultura Artística do Maranhão – SCAM, instituição que animou os artistas e os intelectuais de São Luís, na década de 1950. Trabalhou como professora de Canto Orfeônico do Liceu Maranhense, já então denominado Colégio Estadual do Maranhão, e foi uma das idealizadoras da Escola de Música do Maranhão.

De acordo com Raimundo Luiz, que foi aluno de Lilah Lisboa e hoje é o atual diretor da casa, o grande sonho da professora era montar uma orquestra sinfônica no Maranhão. A escola, segundo ele, foi o primeiro passo para realizar esse grande sonho. “A professora Lilah Lisboa não entendia como São Luís – capital aberta às grandes iniciativas culturais e com numerosos músicos – não tivesse um estabelecimento de ensino do gênero, dispondo de tão grande potencial docente”, conta.

Colaboração da jornalista Yane Botelho e com informações do livro São Luís: Ilha do Maranhão e Alcântara.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s