Museu Histórico completa 40 anos

MHAM / Foto: Biaman Prado

MHAM / Foto: Biaman Prado

Na semana de celebrações de seus 40 anos, o Museu Histórico e Artístico do Maranhão (MHAM) preparou uma vasta programação para receber o público. As crianças serão as principais beneficiadas, mas há atividades para pessoas de todas as idades. Além da exposição permanente que retrata o modo de vida das famílias abastadas da São Luís dos séculos passados, seus costumes, hábitos e curiosidades, haverá também contações de história, palestras, apresentações culturais e exposição especial, com entrada gratuita.

Conheça mais do Museu Histórico e Artístico do Maranhão.

O Projeto Férias no Museu acontecerá de hoje (23) até sexta-feira (26), a partir das 14h. Nesta atividade, o público alvo é a criançada, que além de saber mais sobre o MHAM, participará de contações de histórias e oficinas. Hoje, os pequenos conhecerão mais da vida de Ana Jansen. Amanhã, a história em destaque será A Batalha de Guaxenduba, e na quinta-feira (25), um dos mais importantes fatos históricos do estado, A Balaiada, que tomará como base a narrativa infanto-juvenil de Wilson Marques. Amanhã, às 14h30, também será ministrada oficina de percussão. A atividade é indicada para crianças a partir de 11 anos.

“Essa será uma possibilidade dessas crianças conhecerem mais sobre a história do Maranhão. Estamos dando a elas direito ao conhecimento, porque sabemos que muitos não têm noção da importância desses acontecimentos na trajetória histórica do nosso estado. Desta forma, o museu também consolida sua função social. Isso é cidadania”, enfatizou Luiza Raposo, diretora do MHAM.

Na sexta-feira, às 19h, o professor e membro da Academia Maranhense de Letras, Lino Moreira, ministrará palestra sobre Joaquim Gomes de Sousa, o Sousinha, que viveu no Solar onde hoje está localizado o MHAM. Antes, haverá uma pequena conversa sobre o museu com participação de Luiza Raposo e da secretária de Estado da Cultura, Olga Simão, que versarão sobre a trajetória da casa de cultura e de sua contribuição para a sociedade maranhense. Ainda na sexta-feira, haverá apresentação musical do Grupo de Câmara, da Escola de Música Lilah Lisboa.

“O MHAM é um espaço que guarda a memória e a história para que a população possa se identificar e ter o sentimento de pertencimento, como forma de preservar a identidade cultural de nosso povo. Como diversos museus do país, desde a criação do Instituto Brasileiro de Museus, o MHAM está passando por mudanças, tendo uma nova concepção de museologia”, afirmou Luiza Raposo.

Segundo a diretora, o museu tem pensado o espaço de uma forma diferente, tendo concluído seu plano museológico estratégico no passado. “Estamos trabalhando com a concepção de museologia social, dialogando com a sociedade para que ela sinta interesse e possa desenvolver esse sentimento de pertencimento. O museu está aqui para servir à população e proporcionar a ela que adentre neste espaço e não fique apenas no discurso, mas viva o museu na prática”, explicou.

Publicado originalmente no Jornal O Estado do Maranhão (23/07/2013)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s